Bem-vindo: 19 Set 2019, 15:58



Todos os horários são GMT - 3 horas





Criar novo tópico Responder  [ 3 mensagens ] 
Autor Mensagem
 Título: Os mares estão ficando sem alimento
MensagemEnviado: 13 Out 2010, 12:39 
Offline
Citar mensagem
Pseudocheilinus hexataenia
Pseudocheilinus hexataenia
Avatar do usuário

Registrado em: 29 Jun 2010, 14:40
Mensagens: 68
Curtiu: 0 vez
Recebeu Curtir: 0 vez
Apelido: Leo
Cidade: São Paulo
País: Brasil
Ae Pessoal é triste mas faz parte de nossa realidade atual..... icon_cry_smile icon_cry_smile


Isabel Martínez Pita (EFE)

Uma equipe de cientistas marinhos composta por Daniel Boyce, da Dalhousie University (Canadá), Marlon R. Lewis e Boris Word, realizou a compilação dos dados recolhidos durante um século com o objetivo de conhecer a saúde dos mares.

A iniciativa começou a ser incubada no ano de 1899 através de um simples e original método: o disco Secchi. Este disco do tamanho de um prato de mesa tem pintado um padrão com as cores branco e preto alternadas.

Preso por um cabo, ele é deixado cair dentro do mar e se observa o tempo que transcorre até que a turvação de água impede que ele seja visto.

A profundidade í qual isto acontece é proporcional í quantidade de algas microscópicas presentes que compõem o fitoplâncton.

Desde o ano que começou a ser utilizado este método para determinar a transparência das águas oceânicas e a evolução dos níveis de fitoplâncton, foram realizadas meio milhão de observações em um período de tempo de mais de cem anos.

Esta é a primeira vez que um grupo de cientistas reúne todos os dados obtidos para dar sentido ao que realmente está acontecendo com os mares de nosso planeta.

Segundo as conclusões ís quais chegou a equipe científica de Daniel Boyce, o fitoplâncton vem diminuindo 1% a cada ano nos últimos 110 anos e, embora esta quantidade pareça ínfima, na atualidade há 40% menos que em 1950.

O primeiro elo da cadeia trófica

O fitoplâncton é composto por pequenas algas fotossintéticas e são o primeiro elo da cadeia trófica, ou seja a cadeia alimentar, por isso que o nível de sua presença representa o estado de saúde dos mares.

Enrique Pardo, cientista marinho da organização internacional Oceana, explica í EFE que "o fitoplâncton compõe entre 50% e 90% da biomassa no oceano, o que dá a ideia da relevância que pode ter a presença ou ausência destes microorganismos no meio marinho.

É a parte do plâncton que é fotossintética. Seria como a parte vegetal, que é a que tem clorofila. É muito relevante porque segundo os censos da vida marinha corresponde em torno de 95% da respiração dos oceanos, que são o principal motor na captação de CO2 da atmosfera e na produção de oxigênio no meio marinho".

O estudo realizado pela equipe de Boyce mostra a perda que está acontecendo por alterações derivadas das atividades humanas.

Pardo acrescenta que "por serem organismos fotossintéticos eles têm uma forte dependência das condições meteorológicas. Assim, a mudança climática afeta principalmente de duas formas.

Uma é que ao aumentar a temperatura de água se impede a mistura de águas profundas, ricas em nutrientes, com as águas superficiais, que é onde se encontram as maiores concentrações de fitoplâncton, o que atrapalha sua reprodução.

Por outro lado, está o aumento da concentração de CO2 na atmosfera. O meio marinho capta em torno de 30% do CO2 emitido na atmosfera e absorve 80% do calor atmosférico.

À medida que o CO2 aumenta, o meio marinho o absorve mais. Em princípio, isto pode parecer positivo pois o fitoplâncton requer esse CO2 para realizar a fotossíntese. No entanto, em concentrações altas demais acontecem processos de acidificação.



Acidificação das águas

O processo de acidificação das águas marinhas traz consequências desastrosas para muitas das espécies marinhas, porque as coberturas calcárias dos animais que as requerem necessitam do carbono orgânico.

Segundo Enrique Pardo "se esta acidificação chegasse a um nível mais elevado, estas estruturas calcárias poderiam chegar a se dissolver. O que fica claro é que isso já está repercutindo em uma impossibilidade clara para formar essas estruturas ou para fechar os ciclos de respiração".

O fitoplâncton é a base da cadeia trófica e serve de alimento ao zooplâncton, que compõe a outra parte dos micro-organismos, em muitos casos, formada por ovas de peixes e alimento fundamental das espécies superiores.

"Se há uma queda neste primeiro elo da cadeia, isto repercutirá negativamente em todos os seres superiores", diz o pesquisador.

Segundo o cientista marinho, "este estudo tem uma base sólida e é muito crível. Na medida que vai aumentado a concentração de CO2 na atmosfera de forma exponencial - assim como o aquecimento global, como parece a tendência - pode acontecer uma aceleração neste processo de perda de fitoplâncton e, em consequência, de todas as espécies marinhas, porque sem o fitoplâncton elas não prosperam".

Desde peixes a cetáceos, inclusive qualquer tipo de organismo marinho, podem desaparecer.

Ao se extinguir a vida marinha, destrói-se o pilar principal da estrutura das espécies do mar, que não são independentes das terrestres.

"Este fato terá uma repercussão direta no homem, pois somos consumidores de espécies marinhas e, além disso, afetará o próprio funcionamento do ciclo biológico em nível global", diz o especialista.

"Só se diminuirmos a temperatura da atmosfera e preservando as emissões de CO2 poderíamos evitar esta catástrofe", conclui o cientista marinho.


Quem quiser conferir o link http://noticias.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=25862714

Abraço


Voltar ao topo
 Perfil  
 
 Título: Re: Os mares estão ficando sem alimento
MensagemEnviado: 04 Nov 2010, 12:20 
Offline
Citar mensagem
Moderador Global
Moderador Global
Avatar do usuário

Registrado em: 24 Jun 2009, 23:48
Mensagens: 13075
Imagens: 1
Localização: São Bernardo do Campo-SP
Curtiu: 127 vezes
Recebeu Curtir: 227 vezes
Apelido: Becker
Data de Nascimento: 11 Abr 1966
Cidade: São Paulo
País: Brasil
Bela materia, pena que de um tema tao preocupante icon_furious

_________________
Imagem
Dimensionando o UV
- Passagem correta de água pelo filtro UV: 15 litros/hora por watt da lâmpada.
- Necessário se faz a passagem de no mínimo 2 vezes o volume total do aquário pela lâmpada/dia


Voltar ao topo
 Perfil Álbum pessoal  
 
 Título: Re: Os mares estão ficando sem alimento
MensagemEnviado: 07 Jul 2011, 01:32 
Offline
Citar mensagem
Moderador
Moderador
Avatar do usuário

Registrado em: 04 Nov 2009, 23:04
Mensagens: 21673
Localização: Santo André - SP
Curtiu: 9 vezes
Recebeu Curtir: 147 vezes
Excelente matéria, obrigado por compartilhar.

_________________
Guia sobre BBT: viewtopic.php?f=53&t=9251
Balling: viewtopic.php?f=2&t=19273

Viva Metal!
ImagemImagemImagem


Voltar ao topo
 Perfil  
 
Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar novo tópico Responder  [ 3 mensagens ] 

Todos os horários são GMT - 3 horas


Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 4 visitantes


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido
Enviar anexos: Proibido

Tópicos Similares

Rochas ficando esbranquiçadas Fórum: CHAT Autor: Tadeu Respostas: 1
Compro Camarão de poça e peixe-alimento Fórum: Classificado Geral Autor: Renato Schelini Respostas: 0
Quais espécies estão nestes vídeos? Fórum: Identificação Marinha Autor: Paulo Enxada Respostas: 1
Alimento para Cavalo Marinho Fórum: Aquário Marinho Iniciante Autor: Arthuur Respostas: 1
Alimentador para fornecer ao seu peixe alimento fresco Fórum: Faça Você Mesmo Autor: Abilio Machado Respostas: 2
Ir para:  




Powered by phpBB © 2008 phpBB Group | Traduzido por: Suporte phpBB
subSilver+ theme by Canver Software, sponsor Sanal Modifiye

Modificado por Micael Borin Martins